28 de nov de 2012

De 07 a 09 de Dezembro, Boqueirão recebe CINE SESI



Dias 07, 08 e 09 de dezembro -, o projeto Cine SESI Cultural estará em Boqueirão (PB), na Rua da Independência, na Praça do Centro Turístico (Praça da ABES)


Na próxima semana – 07, 08 e 09 de dezembro -, o projeto Cine SESI Cultural estará em Boqueirão (PB), na Rua da Independência, na Praça do Centro Turístico (Praça da ABES), para exibir filme de graça para a população. Em sua primeira temporada em Pernambuco e Paraíba, o Cine SESI já reuniu 83.150 pessoas, em 25 cidades visitadas. Nesses municípios, foram exibidos filmes de longa metragem e documentários, em áreas ao ar livre, sempre com projeções de alto padrão de qualidade técnica e de conteúdo.

Patrocinado pelo SESI e idealizado pela publicitária Lina Rosa Vieira, o projeto é o maior e mais importante do País em sua área. Nunca uma iniciativa deste tipo conseguiu permanecer tanto tempo na estrada ou reunir um público tão numeroso. Em todas as cidades, o Cine SESI conta com uma estrutura que inclui tela gigante de cinema, 500 cadeiras para acomodar a população e pipoca de graça para o público. O projeto ficará por três dias em cada cidade, sempre com projeção de dois filmes - um curta e um longa-metragem. “O projeto estimula a reabertura ou abertura das salas de projeção no interior do país”, afirma Lina Rosa.

CONHEÇAM OS FILMES:

ENROLADOS
Uma história muito divertida e que nunca fora contada corretamente. Quando Flynn Rider, o bandido mais procurado e encantador do reino, então ele se esconde em uma misteriosa torre, e acaba sendo feito refém por Rapunzel, uma bela e esperta adolescente com 21 metros de cabelo., e acabam se tornando uma bela dupla, A dupla improvável parte em uma fuga repleta de ação e muita diversão ao lado de um cavalo policial, um camaleão super protetor e um bando de criminosos beberrões. O filme Enrolados vai contar uma história de aventura cheia de romance, humor e muito cabelo.

EU E MEU GUARDA-CHUVA
Na última noite de férias, três amigos - Eugênio, sempre unido ao guarda-chuva herdado do avô, Frida e Cebola - embarcam em uma aventura mágica ao visitar sua nova escola. Um barão, que deveria permanecer em um antigo quadro na parede, ganha vida e comprova sua fama de “terror dos alunos”. Salas e corredores viram o palco de uma fuga repleta de ação que leva a viagens a lugares desconhecidos e ao encontro com personagens inusitados e divertidos.

O PALHAÇO
Benjamim (Selton Mello) trabalha no Circo Esperança junto com seu pai Valdemar (Paulo José). Juntos, eles formam a dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue e fazem a alegria da plateia. Mas a vida anda sem graça para Benjamin, que passa por uma crise existencial e assim, volta e meia, pensa em abandonar Lola (Giselle Mota), a mulher que cospe fogo, os irmãos Lorotta (Álamo Facó e Hossen Minussi), Dona Zaira (Teuda Bara) e o resto dos amigos da trupe. Seu pai e amigos lamentam o que está acontecendo com o companheiro, mas entendem que ele precisa encontrar seu caminho, a sua identidade. Quando chega a hora da partida, a tristeza visita os amigos da diversão e de concreto mesmo, só a certeza de que o mundo dá voltas, redondo com o picadeiro.

TYGER: CURTA-METRAGEM
Um enorme tigre aparece misteriosamente numa grande cidade. Ele vai revelar a realidade escondida numa noite que poderia ter sido como qualquer outra.

VIDA MARIA
Maria José, uma menina de 5 anos de idade, é levada a largar os estudos para trabalhar. Enquanto trabalha, ela cresce, casa, tem filhos, envelhece.

ATÉ O SOL RAIÁ
Até o sol raiá é um conto de fantasia e de celebração ao imaginário nordestino. Personagens criados por um artesão em barro ganham vida própria e agitam uma pacata vila sertaneja numa noite de festa. Animado em 3D, o curta-metragem funde a tradição do artesanato em barro com o cangaço, numa referência a dois ícones da cultura do Nordeste.

Fonte: http://www.cinesesi.com.br/programacao/22/paraiba

Aulão Motiva / ABES em imagens








22 de nov de 2012

Aulão Vest UEPB 2013


haverá sorteios de brindes


Em uma promoção junto ao Colégio Motiva, a ABES realizará no dia 25 de novembro de 08h às 12h, o primeiro aulão Revisão de Linguagem para o Vestibular da UEPB 2013. O aulão faz parte do projeto Teia do Aprender e acontece no CEFAR.

13 de nov de 2012

Corrigindo alguns ditados populares


O professor de Língua Portuguesa, Pasquale Cipro Neto, corrige alguns ditados populares usados de forma errada.

“HOJE É DOMINGO PÉ DE CACHIMBO”… e eu ficava imaginando como seria um pé de cachimbo, quando o correto é: HOJE É DOMINGO PEDE CACHIMBO… Domingo é um dia especial para relaxar e fumar um cachimbo ao invés do tradicional cigarro (para aqueles que fumam, naturalmente…).

No popular se diz: “Esse menino não pára quieto, parece que tem bichocarpinteiro”. Minha grande dúvida na infância… Mas que bicho é esse que é carpinteiro, um bicho pode ser carpinteiro?
Correto: “Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro”. Tá aí a resposta para meu dilema de infância! EU NÃO SABIA. E VOCÊ?

“Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão”. Enquanto o correto é: “Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão”. Se a batata é uma raiz, ou seja, nasce enterrada, como ela se esparrama pelo chão se ela está embaixo dele?

“Cor de burro quando foge”. O correto é: “Corro de burro quando foge!”. Esse foi o pior de todos! Burro muda de cor quando foge? Qual cor ele fica? Porque ele muda de cor?

Outro que no popular todo mundo erra: “Quem tem boca vai a Roma”. Bom, esse eu entendia, de um modo errado, mas entendia! Pensava que quem sabia se comunicar ia a qualquer lugar! O correto é: “Quem tem boca vaia Roma”. (isso mesmo, do verbo vaiar).

Outro que todo mundo diz errado, “Cuspido e escarrado” – quando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa. O correto é: “Esculpido em Carrara”. (Carrara é um tipo de mármore).

Mais um famoso… “Quem não tem cão, caça com gato”. Entendia também, errado, mas entendia! Se não tem o cão para ajudar na caça o gato ajuda! Tudo bem que o gato só faz o que quer, mas vai que o bicho tá de bom humor! O correto é: “Quem não tem cão, caça como gato”, ou seja, sozinho!

9 de nov de 2012

ABES é contemplada no Projeto Ponto de Leitura PB



A Paraíba acaba de ganhar oficialmente mais 10 pontos de leitura. Os projetos contemplados pela Ação Pontos de Leitura/Programa Mais Cultura foram publicados no Diário Oficial do Estado da quarta-feira (31). 

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) divulgou os projetos selecionados, compostos por 60% de pessoa jurídica e 40% de pessoa física. A seleção foi definida por uma Comissão Tripartite, formada por um representante do Ministério da Cultura, um do Governo do Estado e um da sociedade civil, indicado pelo Conselho Estadual de Cultura.

De acordo com o gerente operacional de Pesquisa Cultural da Secult e presidente da Comissão Programa Mais Cultura, Rosildo Oliveira, o Programa Mais Cultura – Edital Pontos de Leitura da Paraíba foi lançado oficialmente em 20 de novembro de 2010 e habilitou 25 Pontos de Leitura. Destes, dez pontos seriam selecionados posteriormente, distribuídos em duas categorias: 60% para pessoas jurídicas e 40% para pessoa física, em conformidade com o edital de seleção Nº 002/2010, de 30/06/2010.

“O secretário de Cultura, Chico César, juntamente com a Secretaria de Estado da Educação, conseguiu a articulação desta verba, que já estava destinada para o edital, porém foi dotada em gestão anterior. Felizmente, conseguimos que a verba fosse destinada para o edital”, explicou Rosildo. A seleção dos dez pontos a serem contemplados foi realizada na atual gestão do Governo do Estado. O gerente informou também que a avaliação considerou impactos cultural e social do projeto, além de critérios como originalidade, diversidade, modelo de gestão, acessibilidade e territorialização.

De acordo com o edital, o prêmio servirá para o fortalecimento do ponto de leitura, aquisição de materiais para acervo, realização de atividades, entre outros. Os projetos selecionados terão o prazo de 30 dias, contados a partir do dia 5 de novembro de 2012, para enviar os documentos complementares, sob pena de serem desclassificados.

São eles:

Pessoa jurídica – 60%

01 – Palavra Piollin – João Pessoa
02 – Contadores de História – Boqueirão
03 – Leitura e Escrita que Transforma a Qualidade de Vida – Alagoinha
04 – Instituto Casa do Sol – Queimadas
05 – Fundação Menino de Engenho – Pilar
06 – Instituto Cultural Casa do Béradêro – Catolé do Rocha

Pessoa física – 40%

01 – Luiz Barbosa Neto – Pombal
02 – Josinaldo Francisco Pereira – Sapé
03 – Jefferson de Sousa Ramos – Carrapateira
04 – Thyago Braz Dantas – Bananeiras

29 de out de 2012

29 de Outubro, Dia Nacional do Livro


Comemoramos na data de hoje, o " Dia Nacional do Livro" , mas vocês sabem qual a origem dessa nossa paixão, como nasceram os livros??

Para quem hoje se vislumbra com a praticidade oferecida pelos e-books, nem chega a imaginar o longo caminho percorrido pelos livros na História. Companheiro da escrita, os livros tiveram grande importância para a realização de registros históricos, a compilação de leis e a divulgação de ideias. Atualmente, a produção de livros chegou a tal ponto que, por exemplo, o século XX foi responsável por uma literatura histórica superior a de todos os outros séculos somados juntos!

No Egito Antigo, o ancestral dos livros foi concebido através do papiro. Transformada em atividade importante, a escrita no papiro era exclusivamente executada por uma classe de escribas responsáveis pela leitura e fabricação dos textos oficiais e religiosos. Pesquisadores apontam que as peças de papiro mais antigas já encontradas foram concebidas há três mil anos antes de Cristo. Para se organizar esses documentos, as folhas de papiro eram pregadas umas às outras formando um único rolo.

Por volta do século X a. C., a organização dos documentos escritos ganharam maior funcionalidade com a invenção dos pergaminhos. Apesar de não terem a mesma praticidade dos encadernados, essa base material foi de suma importância para a preservação de importantes textos da Antiguidade, como a Bíblia Sagrada e os escritos de alguns pensadores do mundo clássico. Vale a pena frisar que a qualidade e a resistência dos pergaminhos era superior à do papiro.

12 de set de 2012

UM POEMA EM CADA ÁRVORE


Na Paraíba, a Mobilização acontece nas cidades de Boqueirão e Campina Grande.

Dia 21 de setembro de 2012 será realizado o Um poema em cada árvore (Mobilização Nacional), quando acontecerá em diversas cidades brasileiras uma edição simultânea do Um poema em cada árvore -iniciativa de incentivo à leitura que utiliza as árvores como suporte de leitura.

Neste dia em que se comemora o Dia da árvore, uma rede poetas, educadores, agentes culturais e sociais estarão mobilizados em levar a poesia aonde o povo está.

O Um poema em cada árvore é uma iniciativa de incentivo à leitura realizada desde agosto de 2010 na cidade de Governador Valadares, Minas Gerais.

Idealizada pelo poeta Marcelo Rocha e realizada pelo Instituto Psia, a iniciativa caracteriza-se por utilizar as árvores como suporte para a leitura, pendurando mensalmente poemas de poetas desconhecidos do grande público nos oitis valadarenses.

A repercussão nacional do projeto somada à sua característica pioneira e de fácil replicação permitiu que diversos poetas, educadores, agentes culturais e sociais brasileiros manifestassem interesse em realizar o Um poema em cada árvore em suas cidades.

Ao encontro dessas maravilhosas manifestações será realizado no Dia da Árvore (21 de setembro) o Um poema em cada árvore (Mobilização Nacional) em 83 (oitenta e três) cidades de 24 Unidades Federativas brasileiras, constituindo assim uma rede de poetas, educadores,agentes culturais e sociais mobilizados em fomentar ainda mais as intenções do projeto no que refere à conquista de novos espaços de fruição poética, ampliação do acesso da população à poesia, divulgação do trabalho de poetas desconhecidos do grande público e elevação do índices de leitura em nosso país.


28 de ago de 2012

Poetas de Boqueirão participam do lançamento da Coletânea Poética Cântico ao Cariri













Foi lançado no último dia 24 de agosto (sexta-feira) em Campina Grande, no Centro de Cultura e Arte da UEPB, a Coletânea Poética Cântico ao Cariri.

180 poetas de várias partes da região do país inscreveram poemas para o concurso Cante o Cariri. O regulamento do concurso determinava que poetas e estudantes deveriam escrever sobre o Cariri, suas riquezas, seus aspectos naturais e especialmente culturais. Um júri integrado pelos poetas Mirtes Waleska Sulpino, Linaldo Guedes e o escritor Pedro Nunes avaliou todos os poemas inscritos e selecionou 24 para compor o livro Cânticos ao Cariri.

Ainda na Coletânea textos de poetas convidados à compor a obra, como Lau Siqueira, Bruno Gaudêncio, Antonio Mariano, Malcy Negreiros, Magna Vanuza, Paula Izabela além de outros grandes poetas.


18 de jul de 2012

Poeta de Boqueirão ganha Concurso de Cordel




No último mês de junho, onde são comemorados os festejos juninos, a coordenação diocesana da Pastoral da Pessoa Idosa de Campina Grande lançou o Concurso de Literatura de Cordel para a Terceira Idade. A representante da Pastoral, Aparecida Souza, falou acerca do concurso e lembrou que 15 pessoas participaram da edição deste ano. O vencedor da disputa, Antônio Travassos Sarinho falou sobre a satisfação em receber a primeira colocação, com o cordel “A chave do Cadeado”.

- Sou poeta quando não estou trabalhando na zona rural. Para escrever uma história me inspirei em um tio que era ‘amarrado’ – ponderou ele.

O cordel publicado pela Gráfica Universitária da UEPB está à venda na Feira Livre, no Box Quielcell, pelo valor simbólico de R$ 2,00.

Ainda no mês de junho, o poeta teve dois cordéis publicados pela Cordelaria Poeta Manoel Monteiro. São eles, “Como é bela a poesia” e “Os 5 mandamentos do político mau”. Esses também podem ser adquiridos na Feira Livre.

Antonio Travassos Sarinho é agricultor e membro da ABES (Associação Boqueirãoense de Escritores).

14 de jun de 2012

O que é poesia para você?




A poesia é o que faz um "poema" um poema; ou, o que dá no mesmo, é o que faz de um poema um poema bom. Também se pode dizer: é a propriedade do poema enquanto poema. É a propriedade que torna um objeto - em particular, um objeto verbal - algo que, mesmo sendo inútil, mereça existir. Se fosse possível descrever esta propriedade, seria possível dar uma receita de poema. Isso, porém, é impossível. Como diz Montaigne, é mais fácil produzir poesia do que conhecê-la. "Em certa medida baixa", afirma ele, "pode-se julgá-la pelos preceitos e pela arte [isto é, pela técnica]. Mas a boa, a excessiva, a divina está acima das regras e da razão". É que a razão é apenas uma das faculdades humanas; ora, a poesia é produzida e apreciada com todas as faculdades humanas, inclusive as não-racionais, elevadas ao seu mais alto grau. 

(Antonio Cicero, O que é poesia? - Org. Edson Cruz - Confraria do Vento|Caliban).

4 de jun de 2012

MANIFESTO POR UMA PARAÍBA LEITORA



O Manifesto por uma Paraíba Leitora faz parte do Movimento por um Brasil Literário e foi lançado em 31 de maio de 2012, durante o Encontro de Incidência em Políticas Públicas da Paraíba, realizado pelo Polo de Leitura na Rede e objetiva expressar o compromisso da cadeia mediadora de leitura literária da Região Metropolitana de João Pessoa em expandir o debate a cerca da importância da leitura e mobilizar esforços para a construção dos planos municipais e do Plano Estadual do Livro e Leitura do Estado da Paraíba.


MANIFESTO POR UMA PARAÍBA LEITORA
Ler, um direito de todos

Houve um momento na história humana em que o conhecimento esteve diretamente relacionado à imediata necessidade de sobrevivência. Todo o esforço dos indivíduos era canalizado na perspectiva de conhecer e dominar o espaço, agir sobre ele, de modo a garantir sua existência, observa Luiz Percival Leme Brito*. Passada essa fase primitiva da história e garantidos os recursos fundamentais para a sobrevivência, homens e mulheres se desprenderam do imediato e se lançam na infinda aventura de indagar as razões de ser, agir e sentir o mundo. As crianças nascem imersas num mundo fantástico e fantasioso de experimentos e conhecimento, fruto da acumulação histórica. Seu espírito está imbuído da necessidade de especular sobre a vida e confrontar os arranjos que a cercam e a norteiam. Desta forma surge a filosofia cujo interesse é a indagação sobre a existência, a ciência preocupada em conhecer a organização da matéria, a política centrada na organização coletiva da sociedade e a arte focada em expressar a condição da existência humana, em todas as dimensões reais e possíveis, e em tornar-nos capazes, através da poderosa faculdade da imaginação, de criar os projetos que nos levem adiante no processo de humanização.

Sem a imaginação, compartida por todos, não há projeto de futuro melhor. Neste sentido a literatura, como parte da arte, constitui, na sociedade contemporânea, um dos exercícios fundamentais de expressão, compreensão, inserção e criação social, não somente capaz de manifestar as inquietações e percepções do indivíduo e da sociedade real, mas, e sobretudo, de fazer circular na coletividade, a busca de aperfeiçoamento da condição humana, a partir da representação e da invenção.

Partindo do princípio de que a leitura e a escrita são sustentáculos da sociedade contemporânea, condição imprescindível para a inserção dos indivíduos nos arranjos sociais da atualidade, e na projeção de um futuro digno, e do fato de que um contingente expressivo da população brasileira, encontra-se excluído do acesso a esse bem cultural, o Polo de Leitura na Rede com o apoio do Programa Prazer em Ler, expressa sua intenção e compromisso de contribuir para a democratização do acesso ao livro, incidindo na defesa e garantia de políticas públicas de leitura e estimulando o gosto e a fruição literária a fim de contribuir para a construção de uma sociedade paraibana de leitores.

Posto que a leitura e a escrita constituem-se como recursos capazes de melhorar as condições de vida e as possibilidades de emancipação do indivíduo no mundo, reconhecemos a literatura como direito básico e fundamental para a formação de todos os cidadãos e cidadãs brasileiros. Nesta perspectiva, afirmamos nosso compromisso de sensibilizar, articular e mobilizar forças para a construção do Plano Estadual do Livro e Leitura (PELL), convocando os distintos segmentos da sociedade civil paraibana, comprometidos com o processo de criação, produção, circulação e mediação do livro, o Poder Legislativo Estadual e o Poder Executivo para estruturar e sancionar a Lei Estadual do Livro do Estado da Paraíba.

Não queremos ser leitores privilegiados na sociedade. Mas, fazer parte do privilégio de sermos uma sociedade de leitores.

Contatos: jbenebrito@gmail.com
leituranarede@hotmail.com

José BENEdito de BRITO / Colaboração: Maria Valéria Rezende

IFPB - João Pessoa, 31 de maio de 2012.

(* Literatura, conhecimento e liberdade, in: Nos caminhos da literatura, Peirópolis, 2008.)


Concurso de Poesia Cante o Cariri



Encerrada as inscrições do Concurso de Poesia "Cante o Cariri", organizado pelo Cuca (Centro Cultural do Cariri). Segundo o Coordenador Geral, Evaldo Costa, o concurso obteve cerca de 200 inscrições.

De acordo com o Regulamento do Concurso Cante o Cariri, os poemas que não estivessem de acordo com a temática proposta, o Cariri Paraibano, seria automaticamente desclassificado. A divulgação do resultado final ocorrerá no dia 22 de junho de 2012, no site do Centro Cultural do Cariri – Cuca.

Cada categoria contará com a seguinte premiação:

1º Colocado de cada categoria:
  • 01 computador pessoal portátil, no valor máximo de R$ 1 mil.
  • 01 Certificado
2º Colocado:
  • 01 Um minicomputador do tipo tablet, no valor de até R$ 500,00
  • 01 Certificado
3º Colocado:
  • 01 Um telefone celular no valor de até R$ 300,00
  • 01 Certificado

Serão atribuídos ainda prêmios “menção honrosa” a até dez poetas que sejam escolhidos como autores dos melhores poemas não classificados nas duas categorias principais.




16 de abr de 2012

“O Cordel Vai à Feira”; Projeto traz de volta cultura popular às ruas da cidade de Sousa


Poeta Antonio Sarinho (Boqueirão, PB) membro da ABES

Uma multidão parou para vê de perto um dos programas mais antigos das feiras nordestinas. O repente, a cantoria de feira-livre havia sido esquecida nos últimos anos, mas a cidade de Sousa, no Sertão paraibano vem resgatando sua história com apoio do Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil.

O bairro da Estação recebeu no sábado (14), o projeto de incentivo cultural “O Cordel Vai à Feira”, com a poesia dos artistas; Antônio Sarinho (de Boqueirão), os repentistas Chico Xavier, Edízio Calixto e Zé Morais.

Da redação
Postado por Folha VIP de Cajazeiras

12 de abr de 2012

FLIBO - Boqueirão, cidade Literária



Durante cinco dias a cidade de Boqueirão no Cariri Paraibano respirou Literatura. Literatura em todas as suas manifestações: poesia, teatro e música. De 21 a 25 de março, a “Cidade das Águas” banhou-se de cultura e recebeu centenas de pessoas que vieram participar da 3ª edição da FLIBO, que este ano teve como tema: Nordeste: Literatura e Teatro, do texto ao palco, homenageando dois expoentes da cultura nordestina, o escritor Bráulio Tavares e a dramaturga Lourdes Ramalho.

Oficinas, palestras, debates, lançamentos literários, exposições, poesia na praça e na feira livre, foram algumas das atividades que aconteceram este ano na FLIBO, que teve início na quarta-feira (21) com a tradicional “Marcha pela Literatura” onde os alunos junto com a Filarmônica percorrem as principais ruas da cidade em direção à Praça da ABES, convidando a comunidade pra ingressar no mundo da literatura e viver, realmente, a poesia. Porque como enfatizou o crítico literário, Hildeberto Barbosa Filho, em sua palestra, “a Literatura deve ser respirada”.

A solenidade de abertura contou com a presença de várias autoridades políticas, o patrono da terceira edição da feira, o poeta Lau Siqueira e da homenageada, Lourdes Ramalho, que bastante emocionada agradeceu a homenagem, exaltando a importância da Flibo, não apenas para a Paraíba, mas para todo o Brasil. O patrono, Lau Siqueira, lembrou que “é grande o reconhecimento e não será difícil o engajamento de intelectuais do Nordeste e de outras regiões. A FLIBO vai tomando ares de política pública. Aos poucos vai influindo positivamente na formação das novas gerações de cidadãos boqueirãoenses e caririzeiros. Tendo o incentivo à leitura e criação literária como vetor vai carregando a cidade para o futuro”.

Nos cinco dias da Feira, passaram por Boqueirão diversas autoridades no campo literário, a exemplo do grande poeta popular Manoel Monteiro, que com sua simplicidade e sapiência prendeu o público por quase duas horas de palestra. Tivemos ainda os escritores Bruno Gaudêncio, Jairo César, Janaina Rico (DF), Wander Shirukaya, Archidy Picado, Tarcísio Pereira, José Inácio Vieira de Melo (BA), Carlito Lima (AL), Vanuza Sousa, Natan Cirino, Mabel Amorim, e ainda Aluizio Guimarães, Rodrigo Motta; As oficinas foram ministradas por Paula Izabela (CE), André R. Aguiar, Kleber Brito, Aparecida Farias, Fátima Barbosa e Adeilson Sousa.

Se de dia, na Praça da ABES, as crianças faziam a festa com o teatro de fantoches, a poesia ao pé do ouvido, a contação de histórias e diversas brincadeiras; a noite, a MPB reinava soberana ao lado dos poetas que, entre uma canção e outra, declamavam os seus poemas. No “De repente, poesia”, a feira livre também se arrumou pra receber os seus poetas, aboiadores, cordelistas e declamadores; todos reunidos em nome da poesia popular, do verso e do repente.

E neste clima, a FLIBO firma sua identidade e desponta como o evento literário paraibano que a cada edição, demonstra que veio para ficar e se perpetuar na história literária do nordeste.

A ABES agradece a todos os envolvidos nesse processo de solidificação do saber, citando a Prefeitura Municipal de Boqueirão, o SEBRAE, Governo do Estado e tantos outros que contribuíram direta e indiretamente para a realização deste evento.

Até 2013, na 4ª edição!

ABES

15 de mar de 2012

Pão e Poesia na ABES



A ABES iniciou neste dia 14 de março, dia nacional da Poesia, o projeto Pão & Poesia, que consiste na distribuição de saquinhos de pão nas padarias da cidade de Boqueirão. Essa iniciativa acontecerá a cada mês com textos dos poetas da Associação Boqueirãoense de Escritores.

Nesta primeira edição, quem for às padarias, além de pão, levará para casa a poesia de Mirtes Waleska Sulpino, Jane Luiz Gomes e Malcy Negreiros.

Pão & Poesia, alimenta o corpo e a alma.

13 de mar de 2012

14 de março, Dia Nacional da Poesia

Dia 14 de março celebra-se, no Brasil, o Dia Nacional da Poesia.

Este dia foi instituído em homenagem ao bacharel em Direito e poeta brasileiro ANTÔNIO FREDERICO DE CASTRO ALVES, que nasceu em 14 de março de 1847, ficando conhecido como o “Poeta dos Escravos”, em vista de sua acirrada luta contra a escravidão e o preconceito racial. Dentre as obras desse ferrenho defensor do sistema republicano, destacam-se “Navio Negreiro” e “A Canção do Africano”, as quais, indubitavelmente registram sua indignação a respeito do sistema de governo de então. Tendo falecido em 1871, seu legado constitui-se de poemas revestidos de um lirismo ímpar, merecidamente considerados os mais lindos do Brasil.


Fonte: http://www.recantodasletras.com.br/mensagens/3552376

2 de mar de 2012

Enganos

Por Shirley Vasconcelos


Por muito tempo
Eu pensei
Que amar era estar junto
Eu errei...


Por tantos dias
Eu plantava você
E colhia solidão
Assim eu esquecia de mim
E negava-me à razão


Tanta vezes
Eu disse a mim
Vou te esquecer!
Depois eu me perguntava
Por que?


Agora depois de tudo
Eu sei...
É absurdo
O que eu fingia não saber
Há muito tempo que você se foi
Mas eu sempre inventava você.





27 de fev de 2012

Entrevista com Bráulio Tavares

Entrevista com o renomado escritor paraibano Braulio Tavares, na ocasião de sua participação no III Encontro de Literatura Contemporânea, realizado pelo Núcleo Literário Blecaute, que integrou as atividades do 21º Encontro da Nova Consciência em Campina Grande, PB, em 19 de fevereiro de 2012. A entrevista foi cedida ao escritor Maxwell F. Dantas, membro da ABES, Associação Boqueirãoense de Escritores.

Publicado em http://themcx.blogspot.com/

23 de fev de 2012

Câmara aprova dia da leitura em Boqueirão, PB



Na reabertura dos trabalhos legislativos da Câmara de Boqueirão foi aprovado em primeiro turno o projeto de lei que institui O Dia Municipal da leitura. De autoria do Vereador Paulo da Mata, o projeto prevê que no dia 28 de fevereiro de cada ano, data da fundação da ABES, seja lembrado como um marco importante na difusão do livro e da literatura no município de Boqueirão.

Art. 1.º Fica instituído no calendário oficial do Município de Boqueirão “Dia Municipal da Leitura”, a ser comemorado, anualmente, no dia 28 (vinte e oito) de fevereiro, data da fundação da Associação Boqueirãoense de Escritores (ABES), associação marco no processo de difusão do livro, da leitura e da literatura no município."
Art. 2.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação,
Art. 3.º Revogadas as disposições em contrário.

Paulo da Mata Monteiro
Vereador - PT

Por um instante

Por Jane Luiz Gomes




Eu queria simplesmente um beijo teu,
Queria fechar os olhos e sentir teu corpo em pensamento,
Queria sentir o cheiro da tua pele,
Queria sentir na minha boca o sabor da tua boca,
Queria banhar-me com teu orgasmo,
Queria beijar o teu corpo suado,
Os teus seios, o teu sexo.
Queria beber tua saliva,
E embriagar-me.


Quero, quero, como eu quero!
Delirar.
Delirar de prazer!
Quero ver, quero sentir, quero viver!
Mesmo que seja por uma única vez,
Por um instante apenas.
Quero viver a magia de sentir teu corpo!
Porque tua alma, eu sinto e vivo a cada instante.



12 de fev de 2012

Segredo

Por Malcy Negreiros

O som do vento...
São palavras,
As ondas do mar na quebrada da praia...
São palavras,
O barulho do fogo,
O cantarolar dos grilos,
O silêncio...
São palavras.

Palavras que
Eu escrevo,
Que tu escreves,
Que ele escreve,
Que todos nós e vós
Incluindo eles
Escrevem.

E assim, iluminam as mentes
Que mentem
E mantém os mistérios.
De quem falo...
Para quem escrevo...
Ouça as palavras que digo,
Feche os olhos para ler
E poderá decifrar.

10 de fev de 2012

"Eu gosto de tudo um pouco"

Por Maxwell F. Dantas



Existem momentos nos quais é preciso ser "grosso". Esse é um deles.
"Eu gosto de tudo um pouco". Eu tenho a impressão de que quem gosta de tudo um pouco, não gosta muito de nada. Esta atitude parece ser fruto da preguiça de pensar ou do medo de se posicionar. Pensar não mata... pode cansar um pouco, mas matar, não mata! E a menos que seu posicionamento implique em risco de vida, se posicione (embora nem assim algumas pessoas deixem de se posicionar).
Vamos deixar esse negócio de gostar de tudo para quem já morreu, ou pra quem tem um programa de auditório em uma grande rede de televisão (é... porque com um salário desses, qualquer um sai gostando de tudo por aí...).
Odeie algumas coisas também, rapaz... de vez em quando é bom para a saúde. Dizem que não gostar de algumas coisas ajuda a queimar gorduras. Por outro lado, gostar demais, exageradamente, indiscriminadamente, não é das melhores escolhas. Principalmente, porque nos impede de detestar essa mesma coisa, caso seja necessário.
Num mundo onde gostar de tudo parece tão fácil, detestar um pouquinho pode ajudar a gostar com a luz acesa e os olhos abertos.


7 de fev de 2012

NÃO POSSO FALAR? ESCREVO.

Texto do Professor Kléber Brito, 
publicado em http://cronicasdeprofessor.blogspot.com

Desconfie! Desconfie sempre! Principalmente se um dia você ouvir falar, ou vir um grupo de jovens (e/ou de adultos) - que há muito tinham suas vozes contidas, suas produções arquivadas, seus impulsos criativos lacerados pela falta de incentivo, pela falta de apoio - se revolverem e se impuserem como uma espécie de "câncer" bom (não encontrei termo melhor para exprimir a teimosia) e criarem "com dores de parto" uma espécie de núcleo cultural de tamanha efervescência e ousadia que nem a Paraíba havia ousado até três anos atrás.

Umas pessoas enxeridas que de "miúdas" se fizeram grandes, expandiram suas linhas demarcatórias e puseram no horizonte distante da literatura seu foco e seus sonhos e voilà: "Eis ai a 3º FLIBO!" Ou nas palavras de Toulouse Lautrec "Eis o belo vinho!".

Sei que alguns poderão dizer "Ele está falando isso porque faz parte desse núcleo.". E é justamente pelo motivo contrário que o faço: por não ser da ABES, hoje, posso sim falar sem estar "puxando a brasa" para o meu lado. Vejam só. Como estava o real incentivo à produção escrita e à leitura em Boqueirão, Paraíba? Como Boqueirão era vista lá fora, nas universidades? Como uma cidade que tem um açude? Que tem peixes?

Quanta diferença ser reconhecida como uma cidade cultural, ou uma cidade em que há o desabrochar da literatura no Cariri.

E tudo isso começou sem incentivo, sem sede própria (o que ainda não tem), sem um investimento substancial dos poderes públicos, com parcas doações, sem reconhecimento dos grandes produtores de cultura e literatura da Paraíba. E hoje, o que se tem a dizer? A ABES tem apoio? Muito pouco. Ainda são guerreiros que fazem de tudo, que "contam as moedas", sobretudo sonham e perseguem o sonho. A palavra é VITÓRIA. Consolidação das bases.

A FLIBO está aí, dando orgulho aos que sabem REALMENTE o que significa EDUCAÇÃO e CULTURA. Àqueles que mesmo forçados a calarem-se têm suas vozes reproduzidas pelas vozes líricas desses autores e autoras que investiram o pouco e colhem abundantemente.

Enfim, resumindo, rememoro as palavras do nosso Senhor “E dizia-lhes: na verdade, a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos...” (Mt 9.37). Parabéns a todos da ABES! E a vocês, queridos leitores, desconfiem sempre deles (destes notáveis expoentes da literatura boqueirãoense), pois eles podem te sequestrar e te levar para um mundo velho-novo, para o imponderável mundo da leitura.

4 de fev de 2012

III ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA



III ENCONTRO DE LITERATURA CONTEMPORÂNEA
SAUDADES DO FUTURO: A FICÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL E NO MUNDO
Sábado, Dia 18/02/2012, no CEDUC II (Centro de Educação da UEPB), em Campina Grande, Paraíba.

09h00 – Palestra de Abertura: “A edição e tradução de Ficção Científica no Brasil” – com o escritor Braulio Tavares (PB) – Mediação: Bruno Gaudêncio.

10h30 – Bate-papo I- “Ficção científica: um gênero político?” – com o crítico literário Germano Silva (PE) e o filósofo Eustáquio Silva (PE) – Mediação: Janailson Macêdo Luiz.

14h00 – Bate-papo II – “Verdades científicas em ficções imaginadas” - com o escritor e físico Roberto Menezes da Silva (PB) e o cientista Tiago Massoni (PB) - Mediação: João Matias.

15h15 – Lançamento dos livros: Balelas, de Wander Shirukaya (Contos, Mutuus) e Despoemas, de Roberto Menezes (Contos, Atalho)

15h30 – Bate-papo III – “Realismo fantástico, RPG e a escrita de ficção científica” - com os escritores André de Sena (PE), Wander Shirukaya (PB) e Ricardo Kelmer (SP) - Mediação: Bruno Ribeiro.

16h45 – Lançamento dos livros: O Irresistível Charme da Insanidade, de Ricardo Kelmer (Romance - Editora Arte Paubrasil), Assinatura, de Beto Cardoso (Poesia, editora idéia),

17h00 – Palestra de Encerramento – "Narrativas de realismo fantástico, de ficção científica e de teor místico/macabro no conto brasileiro recente" – com o escritor e crítico literário Rinaldo de Fernandes (PB) – Mediação: Flaw Mendes.

18h15 – Relançamento dos livros: O Professor de Piano (Contos, 7letras) e O Perfume de Roberta (Contos, Garamound), de Rinaldo de Fernandes.

18h30 – Sorteio de livros
19h00 - Sarau do Caixa Baixa (Vitrola Bar)

Realização:
Núcleo Literário Blecaute/XXI Encontro da Nova Consciência.

A folha e a vida

por Maria Aparecida de Farias


Quando vejo uma folha saída da segurança do galho ou do tronco, sendo levada pelo vento para ser livre, quero imitá-la. Vejo que naquele instante ela, a folha, busca outros caminhos porque ali, já cumpriu a sua missão.
Sinto necessidade de ser assim! Quero ser assim. Porque acredito que a caminhada do ser humano aqui neste planeta deve se assemelhar a esta ação: sempre que sentir que está com a missão cumprida, precisa sair em busca de outras realizações, de outros caminhos, de outras venturas ou aventuras... Mas sempre fazer a vida acontecer.
Caso contrário, correrá o grande risco de se degenerar, morrer. Portanto, coragem! Mexa-se! Liberte-se desta inércia! Não tenha medo de ser semelhante a uma folha livre do tronco, até porque a liberdade da folha é um processo natural, a nossa também pode ser. Busque a liberdade e experimente como é bom viver!

1 de fev de 2012

Pleonasmo



Por Mirtes Waleska Sulpino


"
Não quero as metáforas das tuas ações
Quero a verdade das tuas palavras
E a sensatez do teu olhar...



Entrega dos Certificados da Oficina de Fotografia com Ezequiel Oliveira

A Oficina de Fotografia ministrada por Ezequiel Oliveira teve como resultado a I Mostra Fotográfica "Cariri: Retalhos da Nossa Região" realizada no Mercado Público no último dia 28 de janeiro.

Aparecida Farias, Rosalva Normandia, Rute Rávila e Severino
Mirtes Waleska com os alunos da Oficina
Mirtes Waleska, Erasmo Rafael (Secretário de Cultura), Aparecida Farias, Rosalva, Rute e Severino

Versos Escuros

Por Magna Vanuza Araújo


Escrevo versos no escuro.
Para mim os versos escritos no escuro são encantamento.
Guardo sobre a cabeceira uma caneta e um caderno,
Na visibilidade da pouca luz que entra pela janela,
em linhas certas,
escrevo meus poemas
tOrToS.



26 de jan de 2012

I Mostra Fotográfica “Cariri: Retalhos da nossa região”


I Mostra Fotográfica “Cariri: Retalhos da nossa região” reúne o resultado da Oficina de mesmo nome ministrada pelo fotógrafo boqueirãoense Ezequiel Oliveira no mês de Janeiro na Associação Boqueirãonse de Escritores (ABES).

A maioria das fotografias tiveram o Distrito do Marinho, Zona Rural do município de Boqueirão, como cenário e procuraram retratar o cotidiano dos moradores do Cariri e suas peculiaridades.




O Mercado Público foi escolhido como cenário para a exposição da I Mostra Fotográfica “Cariri: Retalhos da nossa região” e acontece neste sábado, 28 à partir das 9h da manhã. Neste mesmo dia, os alunos receberão os certificados de participação na Oficina.