5 de fev de 2010

A Lenda de Caturité em Literatura de Cordel


“A Lenda de Caturité”, folheto com 24 páginas, de autoria dos poetas Vanderley de Brito e Raimar Redoval de Melo, conta a lendária tragédia protagonizada por um chefe indígena Cariri, chamado Caturité, e sua bela filha Potira, que depois de uma aventurosa fuga do burgo de Carnoió, perseguidos pelos soldados do Capitão-mor Teodósio de Oliveira Ledo, se precipitaram do alto de uma montanha no Cariri paraibano em sinal de resistência à conquista de suas terras pelos portugueses.

A lenda é centenária remonta o período da interiorização da Paraíba e vem sendo contada oralmente por gerações para explicar o nome da montanha e do município de Caturité. Em fins do século XIX o historiador paraibano Irinêo Joffily publicou em três capítulos na Gazeta do Sertão de 11, 18 e 25 de janeiro de 1889 uma versão que lhe foi narrada por um ancião da região.

A versão que agora se apresenta em literatura de cordel, com 80 setilhas, rigorosamente metrificada em rimas soantes, é baseada no texto de Joffily, com acréscimos obtidos na história oral e em estudos etnográficos, históricos e geográficos mais atuais.

Esse trabalho de literatura popular é mais uma obra de resgate das tradições ameríndias que a Série Arqueológica de Literatura de Cordel, da Sociedade Paraibana de Arqueologia, e traz às letras poéticas a famosa lenda proto-histórica para ensinar, instigar e encantar o público leitor do gênero.

.

Nenhum comentário: