13 de jul de 2011

Não um manifesto, uma manifestação



Uma "Rosa do Povo" germina em Boqueirão. Um eco de poesia dali; um causo contado acolá; contos e crônicas fervilhando por aí, e uma radícula de Literatuta de forma, e se inquieta, e quer brotar. Quando as condições ambientais são favoráveis, a semente germina. Uma raiz feita de letras quer romper o solo da inércia, ver a luz de uma aurora poética. E ela rompe. Vê-se agora uma caule: ele está lá, entre macambiras e xiquexiques, entre pedras e preás, ao regalo de um vento sem direção, mas sob um sol acolhedor. O tempo passa, o vento empurra, o sol aquece, a imesidão de um açude inspira, enquanto versos e parágrafos se entrelaçam e se retorcem, formando sutilmente galhos e espinhos: a Rosa está a caminhos! Desses galhos surgem vozes, surgem visões, surgem razões e delírios: um frêmito de arte se mistura à seiva desta planta, cujas folhas, viçosas, anunciam o desabrochar da Literatura em Boqueirão. Sou capaz de ouvir Drummond dizendo: "[...] um ouvido mais fino que escuta, um peito de artista que incha, e uma rosa se abre [...]". É Drummond... nós cultivamos essa Rosa, e nos regozijamos com o perfume de suas pétalas. Reguem, reguem essa Rosa, e propaguem o seu perfume.


Maxwell F. Dantas
(Membro da ABES)
Texto lido no encerramento da II FLIBO

2 comentários:

Magna Vanuza disse...

Belo e acolhedor!
Grande escritor

Mirtes Waleska Sulpino disse...

Realmente esse texto de Max é uma tradução desse movimento todo que nasceu em nossa cidade com a literatura. É um belo texto de um grande escritor que temos em nossa cidade.
Parabéns Max ;)